news
LUCIA MENEZES
Conheça aqui "Lucinha", novo CD de LUCIA MENEZES ...

WAYNE STODDART
Inspirational Reggae Artist: WAYNE STODDART (Hot New Single!)Three Cs speaks to decisions and their consequences ...

ELLE B
Happy to announce that Elle B is now on xradiostage.com.Check out her fantastic songs!!! ...

REIGNDEAR
new single "Royalties" on xradiostage.com ! What a great song! ...

JOHN CAMPFIELD
check out his brand new 2 songs "givin me love" & "you're not the same" ...

FACEBOOK
xradiostage.com is now on facebook! ...

ELISETE
"YAM" Check out her brand new song! ...

YESHE
Yeshe just won # 1 @ 16th BILLBOARD World Song Contest in the "World" category..... ...

WILLIAM WHITE
A firm believer in the power of music is on xradiostage.com ...

PETER FINC
"check out this talented artist" album is available on itunes ...

ZONE
New album "Gimali" is now available on itunes ...

IRIDIUM PROJECT
"Great electronic/dance music from South Africa" ...

GENE KASIDIT
Electronic music from Thailand - Gene Kasidit left the band "Futon" and is going solo.... ...

REPPLICA
One of the best Brazilian rock bands is on xradiostage.com ...

NICOLE PATRICK
USA - Nashville's new star. - "What a beautiful voice"! ...

BLUE FREDRIK
The youngest xradiostage.com member on air! Check out this great Norweigan artist! ...

CHARLOTTE WILTSHIRE
"this is real soul music!"- xradiostage.com ...

LUAN PARLE
"Meteor best Irish female artist 2007" ...

ATHAS
1st Celtic Band on xradiostage.com ...

JAMES SPAULDING
"what a great Jazz artist!" - xradiostage.com ...


>> more news
login     
next member

ramiro musotto


Ramiro Musotto é o mais baiano dos argentinos. Discípulo do pernambucano Naná Vasconcelos, apaixonado pelo samba-reggae, criador inquieto e detalhista, o percussionista, compositor e produtor busca sempre o inusitado para fazer um tipo de música "com características que ninguém tenha mostrado antes". Autor de projetos arrojados, ele se prepara para lançar no Brasil o segundo álbum-solo, Civilizacao & Barbarye (Los Años Luz Discos). Quem for a Salvador, onde Musotto está radicado desde 1984, pode vê-lo com a Orchestra Sudaka, às segundas e terças, no Teatro Vila Velha (tel. 71-3336-1384), tocando os temas do novo CD e do anterior, Sudaka (2004). Com título inspirado no romance ensaio político Facundo - Civilização e Barbárie, de Domingo Faustino Sarmiento, o álbum ganha edição nacional no início de março, pelo selo Cavaleiros de Jorge, distribuído pela gravadora Eldorado. Lançado em novembro na Argentina, onde ficou entre os dez melhores de 2006 na lista do jornal La Nación, o CD também já pode ser ouvido inteiro no site www.ramiromusotto.com. "Escolhi esse título porque tem a ver com o trabalho que faço. É uma análise sociológica da história argentina, aborda todos os conflitos, desde a conquista do deserto até a imigração Minha música é uma mescla de cantos tribais afro-americanos com soluções tecnológicas", diz, exemplificando a atração dos extremos em contraponto. A grafia, sem acentos, tem por finalidade, como Sudaka, alcançar dimensões universais. Multirracial Se o livro tem até um ranço racista ("era o pensamento da época", 1845), o disco desenrola-se como uma viagem sonora multirracial, reflexo da ideologia do autor. Gravado em Salvador Estocolmo, Grenoble e no Rio, o CD acolhe cantos de crianças indígenas guaranis, sons rituais de candomblé, choro de Jacob do Bandolim, mistura cangaço e tradição africana, tem sample de discurso do zapatista, reúne parceiros e cantores de Cuba (Léo Leobons), EUA (Arto Lindsay), Argentina (Santiago Vazquez), Irã (Rostam Miriashari), Bahia (Lucas Santtana), Paraíba (Chico César) e Suécia (Sebastian Notini), entre outros. Juntar ritmos tribais com beats eletrônicos pode resultar em pavoroso equívoco, como já se ouviu por aí em compilações sem personalidade. Não é o caso de Musotto. Projeto arrojado, o novo CD segue a trilha de Sudaka. Embora tenha sonoridade mais acústica que o álbum de estréia, neste ele se valeu mais ainda das ferramentas eletrônicas. Alternando temas instrumentais e cantados, o CD abre com Ronda (dele), em que Musotto toca sozinho seis berimbaus afinados, criando uma melodia de resultado surpreendente. Coerente na natureza contrastante, o álbum fecha com um antigo tema cubano, Yambú (dos Muñequitos de Matanzas), cortado de forma brusca com o verso "Al final de la jornada verás que no somos nada". Musotto mostra certa semelhança com o estilo do franco-espanhol Manu Chao, no processo de criação, na estética e na consciência sobre os problemas sociais da América Latina. "Com certeza, somos da mesma tribo. Adoro o trabalho de Manu e me identifico com ele também nas questões ideológicas, mas o que ele faz é mais homogêneo, não é tão diverso ritmicamente." Um dos pontos de ligação entre eles é o mexicano Subcomandante Marcos, do Exército Zapatista de Liberação Nacional. Como Manu, Musotto sampleou trechos de um discurso do líder rebelde e inseriu-o numa das mais bonitas faixas do CD. É Gwyra Mi, que também conta com as vozes de crianças indígenas da tribo guarani Tenondé Porã, que vivem no Morro da Saudade, em São Paulo. Berimbau Em Nordeste & Béradêro, outro lance curioso: Chico César cantando um aboio de sua canção, entremeado a trechos extraídos do LP Cantigas de Lampião (1957), gravado por um ex-integrante do bando do cangaceiro, Volta Seca. Guitarra de levada afro-caribenha encontra a chula do Recôncavo Baiano na sacolejante M’Bala (Musotto/Lucas Santtana), uma das melhores faixas. Outro destaque dançante é o choro Assanhado (Jacob do Bandolim), que ganha peso de eletro-samba com cavaquinho. Embora passe longe do óbvio do que se faz em música percussiva na Bahia, as influências baianas são evidentes na parte rítmica. O berimbau faz a ligação com a música eletrônica pelo timbre. Musotto tem, como seu inspirador Naná Vasconcelos, uma profunda identificação com o instrumento. Cada um a seu modo os dois se especializaram em superar seus restritos recursos. Na mão deles o arame esticado numa vara com uma cabaça ganha status de música. "Melódica e harmonicamente o berimbau é limitado, mas é mais rico timbristicamente", defende. "Há milhões de nuances tímbricas em uma única nota. Você pode evoluir por aí também, não só na questão harmônica e melódica." Usando um capotraste parecido com o dos violões, ele fez "um truque" para extrair as duas notas afinadas do instrumento. Com um histórico de contrastes, Musotto tornou-se um dos maiores percussionistas no país da percussão. Baiano adotado, ele, que foi criado em Bahía Blanca, trouxe know how e disciplina para o universo do samba-reggae, muito antes do boom da axé music. Na Argentina, ao mesmo em tempo que transitava pelo rock, Musotto, "obcecado por estudar, pesquisar e entender o que ouve", começou a tocar em orquestras sinfônicas aos 16 anos e já era fã de Naná ("ele mudou a minha vida") e música Brasileira. Parceiros Decidido a aprender a percussão brasileira, mudou-se para São Paulo, onde estudou com Zé Eduardo Nazário, a partir de1982. Dois anos depois já encarava os trios elétricos de Salvador e se tornava o percussionista mais solicitado para gravações e shows. Tocou com Margareth Menezes, Daniela Mercury, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Marisa Monte, João Bosco, Lenine e muitos mais. A diferença de Musotto para os outros percussionistas baianos é que ele sabia o que os demais apenas intuíam - e faziam errado. "A batida do Olodum é mais carnavalesca, a Timbalada faz samba junino", ensina. Para esclarecer melhor essas diferenças, ele está escrevendo um livro sobre o tema, com publicação prevista para este semestre. Aos 43 anos, 24 deles vividos em Salvador, Musotto já fez escola na Bahia, onde formou músicos que hoje o acompanham e pretende montar uma orquestra de berimbaus. Ademais, dá aulas de samba-reggae para europeus na Alemanha, Inglaterra, Finlândia. "Só na Inglaterra há 500 grupos de batucada feita com instrumentos brasileiros. Na Alemanha, tem mais de mil. Como o rock, a batucada é relativamente fácil de aprender, tem um apelo universal muito forte, mas no Brasil está se perdendo." Jovens europeus têm demonstrado muito interesse nessa batucada, mas tocando ritmos diferentes, como funk e drum’n’bass. Com isso, aponta Musotto, está se formando um gênero musical novo. Ao que indica, a tendência é o futuro voltar à tribo. E Musotto é um dos que estão na frente.

Get the Flash Player to see this player.

 
official website
 
country:
Argentina
 
genre:
Chillout
 
 
send link to my friends
 

david withey    paolo    josy perrot    mangasarian bros.    couple coffee    valéria costa    anita bakanda    le kiwi    raymond mather    kris kelli    nobody's fool    cx records    scicoustic    genuino & el flay    julio lobos    gerardo cabrera    max ayi    to-isis    conchis    black-agon    rolls jony    keahi conjugacion    audio race    spotty dogg    brecik.    andre kunz / acoustic tales    jc+gk    brian boy    marwood    negras musas    hukine    just to annoy ray    ycb    fernanda noronha    omon engóma    failing forward    la montaña rusa    josane peer    simeli    camerata brasileira    enrico de paoli - incrivel mundo    c-fam    tyrant eyes    bobby tenna    ana cascardo    richard koechli    maintain    archie hughes    paper girl    celso krause    trinity lane    inhor    kay morris    bagsnike    braxton hix    silvia bollnow    roberto luçardo    zsolnai    luigi ruberti project    raffaele pulejo    thecharliebrown!!    signal "el proyecto en la calle"    setjhaba mokeki    doctor king'esi    pedro fernando    gumbo brasil    marcos valente    jaro    ryan toby    favelelétrica    stoney and the face value band    dradder    cutaways    amity in fame    lucas dos anjos    orcadia    adolar marin    revival    paata charashvili    birkin tree    arlyn    vanessa vilhena    ivimanseray    crimson gallows    yunique    happyflower    the otherwise    marcio hallack    string connection    !young mindz!    la pantera    dakar    949    papa lou    joint state    gwenlann    beza flow y jhonkow la melodia    hurry-up    dayami    alexandre grooves    blue african skies    eyk the turner    mashach
© all rights reserved. ,